Inflamação

Sialadenite aguda

A glândula mostra- se inchada e aumentada. A punção é dolorosa. O aspirado é de um material necrótico, purulento, contendo algumas células acinares e ductais. Aparecem células inflamatórias agudas (polimorfonucleares), histiócitos e células plasmáticas. Os elementos acinares e ductais são frágeis, muitos núcleos nús também são encontrados. Células histiocíticas gigantes multinucleadas também estão geralmente presentes. A Parotidite aguda grave purulenta em doentes idosos é sinal de estado geral grave , podendo ser fatal.

Sialadenite aguda
Sialadenite aguda
Sialadenite aguda

 

Sialadenite crônica

Existem células inflamatórias crônicas, geralmente em um fundo salivar sujo. As células acinares são extremamente frágeis, às vezes mostrando maiores citoplasmas. Existem muitos núcleos nús no fundo que representam provavelmente os núcleos das células acinares danificadas. As células mioepiteliais estão dispostas em lençois, existe um fundo linfo-plasmacitário. As células ductais estão  proliferadas. Somente a presença de linfócitos e plasmócitos  em um aspirado de parótida não é sinal de inflamação crônica, pois existem muitos gânglios linfáticos na glândula parótida. Se apenas linfócitos e células plasmáticas são encontrados sem as alterações dos elementos epiteliais, descritos acima é mais provável tratar- se de um aspirado de um linfonodo intraglandular do que uma Sialadenite crônica!

 

células inflamatórias crônicas em um fundo sujo. As células acinares são extremamente frágeis,  há um fundo linfo-plasmocitário. As células ductais mostram proliferação. O quadro citológico pode simular atipia (tumor maligno)
células inflamatórias crônicas em um fundo sujo. As células acinares são extremamente frágeis,  há um fundo linfo-plasmocitário. As células ductais mostram proliferação. O quadro citológico pode simular atipia (tumor maligno)
células inflamatórias crônicas em um fundo sujo. As células acinares são extremamente frágeis,  há um fundo linfo-plasmocitário. As células ductais mostram proliferação. O quadro citológico pode simular atipia (tumor maligno)
células inflamatórias crônicas em um fundo sujo. As células acinares são extremamente frágeis,  há um fundo linfo-plasmocitário. As células ductais mostram proliferação. O quadro citológico pode simular atipia (tumor maligno)

 

Sialadenite crônica esclerosante (Tumor de Küttner)

Esta lesão ocorre mais frequentemente glândula submandibular e, as vezes, na glândula parótida. São encontrados elementos celulares da glândula salivar destruídos em um fundo salivar sujo. É quase sempre acompanhada de metaplasia escamosa e alterações das células escamosas atípicas mimetizando um Carcinoma de células escamosas bem diferenciado.  A lesão - existem alguns dados que dão suporte a isto - pode estar relacionada a outros processos inflamatórios auto-imunes escleróticos como a Fibrose retroperitoneal, a Pancreatite auto-imune ou a Colangite esclerosante. Neste contexto, é provavelmente o chamado grupo de Doenças relacionadas com a IgG4.

 

Histologia do Tumor de Küttner 
Histologia do Tumor de Küttner 

 

Sialadenite crônica esclerosante (Tumor de Küttner): fibrose (A),  saliva espessa no fundo (B),  significativa proliferação ductal, que em alguns casos pode imitar um Carcinoma (C) A glândula submandibular é local  típico, em alguns casos, a  lesão alacnça a glândula parótida também. A glândula encontra- se aumentada e dolorosa.
Sialadenite crônica esclerosante (Tumor de Küttner): fibrose (A),  saliva espessa no fundo (B),  significativa proliferação ductal, que em alguns casos pode imitar um Carcinoma (C) A glândula submandibular é local  típico, em alguns casos, a  lesão alacnça a glândula parótida também. A glândula encontra- se aumentada e dolorosa.
Sialadenite crônica esclerosante (Tumor de Küttner): fibrose (A),  saliva espessa no fundo (B),  significativa proliferação ductal, que em alguns casos pode imitar um Carcinoma (C) A glândula submandibular é local  típico, em alguns casos, a  lesão alacnça a glândula parótida também. A glândula encontra- se aumentada e dolorosa.

 

Citologia do Tumor Küttner: elementos celulares da glândula salivar destruídos em um fundo sujo de saliva. Células ductais atípicas. Metaplasia escamosa e células escamosas atípicas, mas não malignos. 
Citologia do Tumor Küttner: elementos celulares da glândula salivar destruídos em um fundo sujo de saliva. Células ductais atípicas. Metaplasia escamosa e células escamosas atípicas, mas não malignos. 

 

X